Crenças Limitantes

Tenha cuidado com o que você pensa, pois a sua vida é dirigida pelos seus pensamentos. (Prov. 4-23)

Somos, basicamente, uma folha em branco quando nascemos.

À medida que nos relacionamos, interagimos e nos deixamos influenciar, nós escrevemos boa parte daquilo que somos. Para o bem e para o mal.

E nisso podemos incluir as crenças limitantes no processo.

Afinal, elas são as ideias e os ideais daquilo que — consciente ou inconscientemente — nos impede de ir adiante, conquistar e até mesmo acreditar no sucesso. Deixamo-nos apegar às velhas crenças que influenciam a estagnação pessoal e profissional.

O que são crenças limitantes?

De maneira resumida, elas são as interpretações e os pensamentos que assumimos como verdade e que nos impedem de desenvolver as competências, habilidades e emoções.

Em geral, são concepções falsas ou que têm parcial verdade, mas que limitam a pessoa em se esforçar para arranca-las de sua rotina.

Como resultado, a resignação assume o controle do coeficiente emocional do indivíduo, que passa a aceitar as crenças limitantes como partes estruturais de sua personalidade.

Exemplos de crenças limitantes

Para que você consiga identificá-las, abaixo segue alguns dos principais exemplos de padrões linguísticos negativos, que nos afastam de nossos objetivos:

– “nada dá certo pra mim”;

– “não tenho tempo para nada”;

– “não sou bom o suficiente”;

– “não consigo aprender”;

– “nunca vou conseguir alcançar meus objetivos”;

– “nunca vou conseguir dinheiro suficiente”;

– “você não serve para nada”;

– “eu não mereço coisas boas”;

– “ninguém me quer nem se importa comigo”;

– “homens não prestam”;

– “minha família só me dá dor de cabeça”;

– “não posso/não consigo/não sei”.

As três maiores características de uma pessoa com crença de não merecimento são: perder, não terminar o que começou, e depois de tudo isso recomeçar. (Paulo Vieira)

Percebeu uma ou mais frases como essas, e que você já tenha dito, limitando as suas experiências? Que tal vermos, agora, os impactos em repeti-las constantemente?

Ciclo da Crença

Eu Vejo -> Eu Crio -> Eu Sou -> Eu Faço -> Eu Tenho

Quais são os efeitos em ceder às crenças limitantes?

Quando deixamos aquelas frases de efeito dominar os nossos pensamentos e, consequentemente, as nossas ações, perdemos em saúde, nos relacionamentos, em nossa qualidade de vida, como um todo.

Por exemplo: em vez de acreditar que mereça a promoção em seu emprego, a pessoa pensa não ter capacidade em almejar uma posição melhor dentro da empresa. Quando se depara com o aprendizado de uma nova tecnologia, culpa a idade avançada para não aprendê-la.

Viu como essa simples negativa já impacta em curto, médio e longo prazo as decisões tomadas? Às vezes, sequer nos damos conta disso, o que torna ainda mais difícil vencer as crenças limitantes.

A boa notícia, entretanto, está justamente na possibilidade de identificá-las para então confrontá-las, em vez de evitar as crenças limitantes — como veremos a seguir.

Como identificar as crenças limitantes ao redor?

Uma das qualidades da inteligência emocional consiste em fazer uma contínua auto avaliação. Ou seja: questionar-se sempre, de maneira que você entenda aquilo que está bloqueando as suas chances de almejar, idealizar ou executar algo.

Por isso, o primeiro passo para identificar as crenças limitantes nos seus pensamentos é por meio do exercício de sua própria consciência para dar um novo significado. Para começar, pergunte-se:

– Você costuma perseguir os seus objetivos e sonhos?

– Você impede a si de agir?

– Quando você se convence a não fazer algo, o que limita as suas ações?

– Você considera que merece os próprios sonhos e metas?

– Sua auto cobrança faz você sofrer mais?

Agora, com base nessas respostas procure identificar quantas — e quais — desculpas foram usadas para não realizar algo.

Por exemplo: em vez de ir a uma viagem de férias, você repreendeu a própria ideia porque culpou a crise no país, a necessidade de economizar (sem ter um objetivo definido para isso) ou tem medo de se afastar da sua zona de conforto. Três desculpas, portanto, para abandonar uma simples ideia de aproveitar as férias.

Como vencer as crenças limitantes?

Agora que já deu para entender o conceito de crenças limitantes, como elas nos impedem de ir além, em nossas vidas, e aprendemos como identificá-las, é hora de deixá-las para trás.

Para isso, abaixo vamos resgatar alguns exercícios facilmente aplicáveis, no seu dia a dia, para que as crenças limitantes sejam gradativamente excluídas dos seus pensamentos conscientes e inconscientes. São eles:

1- Identifique as crenças limitantes que impedem você de agir. Anote-as e tenha consciência delas;

2- Avalie a causa por trás dela e compreenda o seu gatilho. Sem resolver a origem das crenças limitantes, elas se tornam crônicas, recorrentes, e dificultam a sua superação;

3- Retome o gosto por se desenvolver e avalie quais são as metas, sonhos e objetivos que você deseja alcançar. Em seguida, anote as crenças limitantes por trás dessas decisões;

4- Com isso em mente, substitua a crença limitante por uma crença motivacional. É importante não deixar a procrastinação ou qualquer outro sentimento negativo imperar, aqui. Para cada “não” que surgir pelo caminho, opte por identificar uma solução;

5- Condicione-se a usar essa nova crença na sua rotina. Por exemplo: se o esgotamento mental é uma constante que impede você de perseguir os seus sonhos, cuide da sua saúde, em primeiro lugar, e priorize os objetivos propostos à medida que você sentir-se melhor.

São cinco etapas, como deve ter dado para perceber, e que consistem apenas em condicionar em outra direção as decisões que você toma diariamente.

Lembre-se que a consciência é a principal tarefa desse exercício, pois é a partir dela que você vai reconhecer suas crenças limitantes e avaliar as causas que as originam.

Depois, o hábito em praticar constantemente esse exercício se integra naturalmente aos seus pensamentos. E são essas ideias tóxicas que impedem você de almejar os desejados sonhos.

Inscreva-se na minha lista VIP
Receba meus artigos, vídeos, dicas e insights exclusivos no seu e-mail:


Comentários no Facebook